UMA SOCIEDADE RESILIENTE

(*) Adm. Volnei Alves Corrêa

A primeira vez que ouvi a palavra Resiliência foi numa palestra patrocinada pelo Conselho Regional de Administração do Rio Grande do Sul, dentro de seu ciclo de Palestras, denominado Ciclos de Debates Em Administração.    De imediato fui procurar o significado da palavra e em que situações ela poderia ser aplicada. O que realmente significaria a palavra resiliência?    Em sua origem latina, resiliens, significa voltar ao normal, ou seja, resiliência seria a capacidade de um objeto, um ser vivo,  voltar ao seu estado natural, principalmente após alguma situação crítica e fora do comum.

Para os psicólogos, resiliência nada mais é do que a capacidade de uma pessoa lidar com seus próprios problemas, vencer obstáculos e não ceder à pressão, seja qual for a situação. Em outras palavras, resiliência também pode ser a habilidade de se manter sereno diante de uma situação de estresse, ou a capacidade de regular a intensidade de seus impulsos no sistema neuromuscular (nervos e músculos). Ou seja, seria a  aprendizagem de não se levar, impulsivamente, pela experiência de uma emoção.

Um famoso ecologista canadense, C. S. Holling (1), na década de 70, utilizou, pela primeira vez a expressão resiliência ambiental, definindo-a como ¨ a aptidão de um determinado sistema que lhe permite recuperar o equilíbrio depois de ter sofrido uma perturbação¨. Este conceito remete para a capacidade de restauração de um sistema ambiental.

Tive oportunidade de observar in loco este fenômeno num Arroio que banha o município de Venâncio Aires, RS. Na década de 80, através do Programa Federal PRÓVARZEAS e depois através do próprio Departamento Nacional de Obras e Dragagens (DNOS), o Arroio Castelhano sofreu várias retificações. Sem entrar no mérito das intervenções realizadas, fazendo uma visita às margens do referido Arroio, constatei que o último trecho retificado está voltando a sua forma natural. Isto pode ser considerado como resiliência ambiental.

Como poderemos aplicar este conceito ao comportamento humano?            Não tenho uma ideia muito clara, mais eu começaria por um estudo das antigas tradições. Não precisa ser dos indígenas de outros países, não precisa ser da antiguidade. Acredito que podemos encontrar respostas com nossos próprios ancestrais. Basta pergunta para nossos avós, basta observar o que acontecia, para poder verificar como eles se comportavam em situações de turbulência.

Nós, além de poluirmos os leitos hídricos, estamos destruindo as matas ciliares que protegem nossos rios, riachos e arroios. Achamos que se plantarmos, junto as suas margens, e cuidarmos por, no mínimo cinco anos, elas se recuperarão. Isto, de fato pode acontecer, mas seria bem mais fácil e, talvez mais eficaz, simplesmente cercar a área degradada e deixar a natureza exercer sua ação resiliente.

Para o Grupo 100 Cidades Resilentes, a construção da resiliência urbana requer olhar uma cidade de forma holística. Para que isto aconteça é necessário  compreender os sistemas que compõem a cidade, as interdependências e os riscos que podem enfrentar. Ao fortalecer o tecido subjacente de uma cidade e ,entender melhor os possíveis choques e tensões que pode enfrentar, uma cidade pode melhorar sua trajetória de desenvolvimento e o bem-estar dos seus cidadãos. (2)   Assim o Grupo 100 Cidades Resilientes, define Resilência como  “a capacidade de indivíduos, comunidades, instituições, empresas e sistemas dentro de uma cidade  sobreviver, adaptar e crescer independentemente dos tipos de estresse crônico e choques agudos que experimentam”.(3)

Como os individuos as sociedades humanas vivem em stress, uns são crônicos outros agudos.    Para nós humanos um stress agudo é aquele que nos acomete seja por uma doença, uma desavença,sendo,  normalmente ,de curta duração. Já o stress crônico é normalmente um evento mais dramático, tal como um acidente.(4)

Uma comunidade pode ser acometida de desastres que podem ser classificados de crônicos. Dentre eles poderíamos destacar, os alto índices de desemprego, sistemas de transportes públicos ineficientes e ultrapassados, uma violência endêmica ,cada vez maior, escassez  e muitas  vezes falta de alimentos e agua. Estes são desastres que poderíamos chamar de antropomorfícos, ou seja, gerados a partir da ação de seres humanos.             Outro tipo de choque que a natureza sofre são os agudos. São em sua maioria repentinos, ameças que surgem, algumas passíveis de percepção, outras não. Neste caso podemos arrolar, as inundações, terremotos, maremotos, epidemias,  ondas de calor, fogo, acidentes com materiais perigosos, tornado, terrorismo, surto de doença, etc.

Com os desastres que ocasionam os stresses crônicos de uma Cidade, tem-se inúmeras maneiras de eliminá-las, através da análise e busca de solução para seus efeitos. O desemprego pode ser minimizado através da geração de novos empreendimentos.

Os sistemas de transporte publicos podem ser melhor desenvolvidos, reduzindo o uso de veículos automotores nas cidades, com a utilização de meios alternativos, tais como bicicletas.    A violência,entrentanto não pode continuar a ser enfrentada com violência.A única solução que me ocorre, e não é de curto prazo, é a educação em tempo integral.Tirar as crianças das ruas é uma forma de eliminar a principal fonte de disseminação do uso de drogas.    Finalmente, a escassez de alimentos, por sua vez,  deve ser combatida através de uma maior produção local de alimentos possíveis de serem cultivados em pequenas áreas do espaço urbano.

Nas cidades do interior, a maioria das casas possui um pátio. Os espaços urbanos vazios ainda são inúmeros. A criação de hortas residencias, hortas em escolas e hortas urbanas será a ação mais imediata e positiva para se combater a escassez de alimentos.

CITAÇÕES

(*) Bacharel em Economia pela Universidade de Cruz Alta, RS; Bacharel em Administração Pública e de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Mestrado em Administração pela Universidade de Syracuse, New York, USA; Mestrado em Auditoria e Gestão Ambiental pela Universidad de Leon, Madrid, Espanha; Professor Universitário; Consultor Organizacional. Ambientalista; Presidente do Instituto de Sustentabilidade e Resiliência

E-mail: volnei1941@gmail.com

Facebook: http://facebook.com/volnei.alvescorrea;

Twitter:  @VACORREA41

Linkedin:https://www.linkedin.com/in/volnei-alves-corrêa-a246093b?trk=nav_responsive_tab_profile

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *